Vinte e seis e contando

06.09.2017

Por mais piegas que pareça, eu sempre fico pensando em tudo o que consegui cumprir no último ano, desde o último dia 6 de setembro, quando o relógio se aproxima das 23h59 do dia 5. É um momento só para mim, no qual eu reflito sobre coisas boas e ruins, mas que terão um reflexo bonito no meu futuro.

Engraçado que, dias atrás, uma colega confessou amar Kings of Leon (uma das minhas bandas favoritas) e me indicou uma das músicas que eu mais gosto nessa vida, que faz parte do álbum que embalou todinhos os meus 17 anos. Divertido pensar que isso já faz 9 anos, sabe? A memória auditiva que me atingiu, me trouxe exatamente todos os sentimentos que eu tinha ao escutar, no auge dos meus 17 anos, decidindo meu curso na faculdade, lendo a maior quantidade de fanfics que eu pudesse, estudando horrores para não precisar me estressar quando as provas chegassem, assistindo as novelinhas da tarde no SBT, antes de sair para as aulas de dança, de natação ou de inglês.

Se a Francine de 17 anos tivesse a chance de ter uma conversa com a Francine de 26, ela com certeza pularia de felicidade ao descobrir que vários de seus sonhos foram realizados e que muita, mas muita coisa boa ainda está por vir. Ela mostraria aquele sorriso de orelha a orelha ao perceber a mulher que se tornou. Ela escreveria textos e mais textos ao notar que sua vida se transformou de certa forma que nem ela mesma adivinharia.

E que a Francine de 27 anos seja tão feliz quanto a Francine de 26 anos vem sendo. Que ela mantenha a cabeça no lugar, que ela saiba que tem pessoas que a amam muito, que ela entenda o motivo das coisas e que ela saiba seu lugar no mundo. Muito mudou desde que a Francine de 25 anos escreveu aquele texto e eu tenho certeza que muito mais mudará quando a Francine de 27 anos ler esse texto.

Bom, feliz aniversário para mim!


Siga nas redes sociais:

Palavras chave:

Francine C. SilvaFrancine C. Silva

gosta de compartilhar amor, de trazer alegria e de dar abraços, se você precisar de um. É uma publicitária sonhadora, que transformou seus hobbies em profissões e hoje trabalha com o que mais gosta: escrever e atuar. Sempre carrega um bloco de notas e uma caneta na bolsa, vive organizando suas estantes de livros, tem um cachorro chamado Chuck Berry e é fã de musicais.



Deixe o seu comentário