“Star Wars – O Despertar da Força” na estreia (e uma em Imax)

05.01.2016

Na pré-venda do negócio todo, meu irmão, um dos maiores fãs da saga que conheço, comprou ingressos para a estreia, 17 de dezembro à meia-noite e um. Como dia 18 era meu último de serviço antes das férias coletivas, topei quase de cara a me aventurar assim, levando em conta os fatos de que eu sinto muito sono naturalmente e de que o filme tem duas horas e meia.

Eu, vestida para matar... Kylo Ren (?)

Eu, vestida para matar… Kylo Ren (?)

Lá fomos nós, mais a namorada dele, pegar um táxi para ir ao Atrium Shopping, em Santo André. Assim que chegamos lá, o segurança pediu os ingressos para nos deixar entrar e meu irmão colocou o capacete de stormtrooper que adquiriu há um tempo. Achei que não veria nerds fantasiados, além dele, no recinto – por ser um shopping bem afastado do centro e tudo mais –, mas logo um cara veio correndo na nossa direção com um sabre de luz vermelho, gritando “Stormtrooper! Stormtrooper!”. Desatei a rir. O cinema é relativamente longe da entrada do shopping, então várias pessoas que ainda estavam por lá ficaram meio assustadas, xingando mamãe em seguida do pulo.

Star_Wars_The_Force_Awakens

Quando chegamos ao Cinemark, vários – eu disse VÁRIOS – personagens apareceram fantasiados de pessoas normais. Não, pera. Várias pessoas brotavam sei-lá-eu-de-onde, fantasiadas. Umas republicanas, outras do império, alguns jedis, alguns siths… Eu estava achando o maior barato; depois da CCXP, creio eu que foi o evento mais teve pessoas fantasiadas aqui em SP em 2015.

Do lado de fora estava friozinho – tenho quase certeza de que foi uma das madrugadas mais frias de dezembro –, porém lá dentro estava el infierno. A maior sacanagem da semana, com certeza, foi desligarem o ar-condicionado do andar do cinema e ignorarem o fato de que todas as salas estavam lotadas e grande parte das pessoas estava de máscara, capacete ou com a fantasia completa de algum personagem.

Levys & Gabis

Levys & Gabis

Seguimos para nossos lugares e observamos a sala do cinema sendo preenchida de forma rápida. Logo estávamos todos de óculos 3D, ainda não preparados para o que viria a seguir, mesmo tendo esperado por muito, muito tempo. Algumas informações de segurança e três trailers do universo geek depois (sem anúncios!), pudemos ver o logo da LucasFilm na telona, seguida de aplausos e assovios por parte da plateia.

star-wars-7-force-awakens-trailer-screengrab

Divulgação (Disney/Lucasfilm)

Não consigo descrever meu sentimento quando a frase “A long time ago in a galaxy far, far away…” e a abertura clássica de Star Wars, com a trilha sonora (mais perfeita, impossível) apareceram. Lágrimas, contenham-se.

Eu olhava para meu irmão ao meu lado e via que ele estava sem reação. Todos na sala estavam. Era tudo muito novo! Após décadas esperando por um desfecho real, estávamos todos ali, contemplando a mais nova obra de J. J. Abrams (com um frio no estômago por não sabermos o que esperar).

Chewie e Han Solo

Chewie e Han Solo (Divulgação | Disney/Lucasfilm)

A segunda vez que assisti foi na quarta-feira da semana passada (30), com meu amigo. Nós fomos ao Imax do Bourbon Shopping, na Pompeia, lá perto do trampo. Confesso que mal dormi à noite desta vez, pois estava ansiosa para apreciar a obra com vídeo e áudio muito melhores – além de que na estreia eu estava com muito sono e perdi alguns detalhes.

Daqui para baixo há spoilers sobre o enredo e o desfecho de alguns personagens muito, muito importantes. Se você não assistiu ainda, sugiro que: 1) não termine de ler 2) e vá ao cinema mais próximo investir duas horas e meia do seu tempo livre para assistir esta obra.

!!! ALERTA DE SPOILERS !!!

Noooooo!!!

Noooooo!!!

!!! ALERTA DE SPOILERS !!!

Uma mulher como protagonista, sem roupas chamativas ou que delineassem seu corpo, me deixou muito feliz. Sempre fui a garota nerd da sala de aula, que adorava De volta para o futuroBeetlejuiceO mundo de BeakmanGhostbusters e afins, e tirava notas altíssimas em todas as disciplinas, mas nunca deixando de lado o batom e a feminidade. Percebi que fizeram isso com Rey (Daisy Ridley). Em vez de se espelharem em mulheres frágeis e burras, ou em mulheres que são homens em um corpo feminino, finalmente se espelharam em nós, mulheres reais, que sempre somos duronas e delicadas quando se é preciso. A Rey, de longe, se tornou uma de minhas protagonistas favoritas. [Fangirl mode on: O QUE É ESSE VÍDEO DA DAISY COM O OSCAR CANTANDO BABY, IT’S COLD OUTSIDE? My ovaries can’t handle them > Clica, pfvr. Eu não consigo me conter com a fofura e maneira diva da Daisy de ser. E olha que ela é um ano mais nova que eu!]

Rey

Rey (Divulgação | Disney/Lucasfilm)

Outro personagem que me deixou extremamente feliz foi o Finn (John Boyega), ex-stormtrooper-traidor-rebelde [TRAITOR!], que nunca tinha participado de um ataque e, do nada, se viu em meio à tiros e inocentes mortos por stormtroopers da Primeira Ordem, chefiados por Phasma (Gwendoline Christie). Ele é um homem (e um protagonista negro!), que não se aproveita da situação para “tirar uma casquinha” da recém-amiga, Rey. [Gente, o John fez Meio Sol Amarelo (2013), filme baseado no livro homônimo da Chimamanda, autora que já falei aqui e aqui.]

Finn (Divulgação | Disney/Lucasfilm)

Finn (Divulgação | Disney/Lucasfilm)

Foi incrível reencontrar ídolos e personagens tão queridos: Han Solo, Chewie, General Leia, R2-D2, C-3PO e, por fim, Luke Skywalker. A cada um que aparecia, o público ia à loucura, ovacionando, como se fosse um espetáculo ao vivo.

Meu bro Chewie

Meu bro Chewie

Eu tinha certeza de que alguma merda aconteceria com algum personagem da trilogia original. Tentei ir por eliminação na minha cabeça e o único que se encaixava era Han Solo. Por quê, Deus? Por que meu contrabandista e cafajeste favorito teria que sofreeeeeeeeer?

Aí veio o Ben Solo, ou Kylo Ren, (Adam Drivernaquela imponência toda, pose de filhinho mimado demais etc e tal. Não! Ele não pode matar seu próprio pai! Não! Nããããããoooooooooo! Ok… Ben… Você não é o único com a Força aqui. Tem a Rey, que mal sabe o que lhe aguarda. Aliás, quem seria Rey? Filha do Luke? Da Leia e do Han? Alguma Zé-Ninguém, como ela mesma diz ser? Não sei. Minha cabeça fica bem confusa quando penso nisso.

(Divulgação | Disney/Lucasfilm)

(Divulgação | Disney/Lucasfilm)

Quando ela é atraída pela Força até o local onde está guardado o sabre de Luke, muitas questões ficam no ar. Maz Kanata (Lupita Nyong’o) a entrega e diz algo como “Era do pai de Luke, depois foi de Luke e agora é seu”.

O R2-D2 está em modo low energy até que seu dono, Luke, retorne. O problema é que é o único que mantém o mapa da galáxia, que encaixa o pedaço que BB-8 tem com ele. Assim que Rey chega próximo, ele desperta. [Coincidência? ACHO QUE NÃO! / Deixarei esta questão em aberto para pensar, como lição de casa.]

Novos personagens notórios: Rey, Finn, Kylo Ren, Poe Dameron (Oscar Isaac), BB-8, Maz Kanata, Snoke (Andy Serkis [cê é f*da, cara]), Hux (Domhnall Gleeson) e Capitã Phasma.

Ao mesmo tempo que tenho muitas coisas a dizer sobre este filme, não tenho como colocar tudo para fora. O próximo episódio, VIII, só sai em 2017 e eu estou comendo os tocos das unhas das mãos de ansiedade.

E você, o que achou?

Diga aqui nos comentários ou lá na página do Outtamind. ♥~


Siga nas redes sociais:



Deixe o seu comentário

Uma resposta para "“Star Wars – O Despertar da Força” na estreia (e uma em Imax)"

Bárbara Almeida - 12, janeiro 2016 às (19:18)

Eu te entendo TOTALMENTEEEEEEEEE quando eu comecei a ler a frase, eu não acreditei. CARACA COMO ASSIM, realmente vai ter um star wars novo, depois de tanto tempo, E EU ESTOU AQUI VENDO hahaha.
AMeei o filme, foi bom demais.

Beijos, Love is Colorful

Responder