Posts arquivados em Tag: resenha

05 jan, 2016

“Star Wars – O Despertar da Força” na estreia (e uma em Imax)

Na pré-venda do negócio todo, meu irmão, um dos maiores fãs da saga que conheço, comprou ingressos para a estreia, 17 de dezembro à meia-noite e um. Como dia 18 era meu último de serviço antes das férias coletivas, topei quase de cara a me aventurar assim, levando em conta os fatos de que eu sinto muito sono naturalmente e de que o filme tem duas horas e meia.

Eu, vestida para matar... Kylo Ren (?)

Eu, vestida para matar… Kylo Ren (?)

Lá fomos nós, mais a namorada dele, pegar um táxi para ir ao Atrium Shopping, em Santo André. Assim que chegamos lá, o segurança pediu os ingressos para nos deixar entrar e meu irmão colocou o capacete de stormtrooper que adquiriu há um tempo. Achei que não veria nerds fantasiados, além dele, no recinto – por ser um shopping bem afastado do centro e tudo mais –, mas logo um cara veio correndo na nossa direção com um sabre de luz vermelho, gritando “Stormtrooper! Stormtrooper!”. Desatei a rir. O cinema é relativamente longe da entrada do shopping, então várias pessoas que ainda estavam por lá ficaram meio assustadas, xingando mamãe em seguida do pulo.

Star_Wars_The_Force_Awakens

Quando chegamos ao Cinemark, vários – eu disse VÁRIOS – personagens apareceram fantasiados de pessoas normais. Não, pera. Várias pessoas brotavam sei-lá-eu-de-onde, fantasiadas. Umas republicanas, outras do império, alguns jedis, alguns siths… Eu estava achando o maior barato; depois da CCXP, creio eu que foi o evento mais teve pessoas fantasiadas aqui em SP em 2015.

Do lado de fora estava friozinho – tenho quase certeza de que foi uma das madrugadas mais frias de dezembro –, porém lá dentro estava el infierno. A maior sacanagem da semana, com certeza, foi desligarem o ar-condicionado do andar do cinema e ignorarem o fato de que todas as salas estavam lotadas e grande parte das pessoas estava de máscara, capacete ou com a fantasia completa de algum personagem.

Levys & Gabis

Levys & Gabis

Seguimos para nossos lugares e observamos a sala do cinema sendo preenchida de forma rápida. Logo estávamos todos de óculos 3D, ainda não preparados para o que viria a seguir, mesmo tendo esperado por muito, muito tempo. Algumas informações de segurança e três trailers do universo geek depois (sem anúncios!), pudemos ver o logo da LucasFilm na telona, seguida de aplausos e assovios por parte da plateia.

star-wars-7-force-awakens-trailer-screengrab

Divulgação (Disney/Lucasfilm)

Não consigo descrever meu sentimento quando a frase “A long time ago in a galaxy far, far away…” e a abertura clássica de Star Wars, com a trilha sonora (mais perfeita, impossível) apareceram. Lágrimas, contenham-se.

Eu olhava para meu irmão ao meu lado e via que ele estava sem reação. Todos na sala estavam. Era tudo muito novo! Após décadas esperando por um desfecho real, estávamos todos ali, contemplando a mais nova obra de J. J. Abrams (com um frio no estômago por não sabermos o que esperar).

Chewie e Han Solo

Chewie e Han Solo (Divulgação | Disney/Lucasfilm)

A segunda vez que assisti foi na quarta-feira da semana passada (30), com meu amigo. Nós fomos ao Imax do Bourbon Shopping, na Pompeia, lá perto do trampo. Confesso que mal dormi à noite desta vez, pois estava ansiosa para apreciar a obra com vídeo e áudio muito melhores – além de que na estreia eu estava com muito sono e perdi alguns detalhes.

Daqui para baixo há spoilers sobre o enredo e o desfecho de alguns personagens muito, muito importantes. Se você não assistiu ainda, sugiro que: 1) não termine de ler 2) e vá ao cinema mais próximo investir duas horas e meia do seu tempo livre para assistir esta obra.

!!! ALERTA DE SPOILERS !!!

Noooooo!!!

Noooooo!!!

!!! ALERTA DE SPOILERS !!!

Continue lendo

08 dez, 2015

Tercinha da resenha: Wicked em Londres

Quem me conhece bem sabe que sou doida por musicais. Não assisti a muitos no teatro, mas a maior parte dos meus DVDs e blu-rays é constituída deles.

Uma paixão antiga, que não está disponível em filmes, se chama Wicked e eu tive o imenso prazer de assistir, como presente de aniversário, quando estive em Londres.

Acervo pessoal | outtamind.com

O espetáculo tem casa fixa no Apollo Victoria Theatre, na Wilton Road, próximo à Victoria Station do metrô, desde setembro de 2006 (quase dez anos!), no West End de Londres – berço dos teatros e musicais.

Divulgação.

Divulgação.

A produção é a mesma da Broadway, utilizando de artifícios pesados como robôs, automação de estruturas e efeitos de luz e som, imitando a luz do dia, um lago e até a chuva.

Divulgação.

Divulgação.

O elenco conta com as estrelas Emma Halton (Elphaba), Savannah Stevenson (Glinda), Oliver Savile (Fiyero) e Tom McGowan (O Mágico de Oz), que não deixa nada a desejar em relação ao elenco original de Nova York (Idina Menzel e Kristin Chenoweth), a respeito de voz e atuação.

Divulgação.

Divulgação.

As apresentações acontecem oito vezes na semana e têm 2 horas e 45 minutos cada. Se quiser pegar um lugar legal, apesar de qualquer lugar do teatro ser possível assistir – diferente do Les Mis –, é bom comprar bem antecipado. Comprei os nossos ingressos em junho para assistirmos em setembro; com isso também paguei mais barato, por conta da cotação da libra e do dólar (acho que foi cerca de R$ 3 o dólar na época).

Contraditoriamente, toda quarta-feira há promoções em alguns quiosques no West End. É possível conseguir lugares bons e muito baratos, mas tem que chegar cedo nas filas das bilheterias se quiser garantir um espacinho.

Premium seats. Divulgação.

Premium seats. Divulgação.

E o que eu posso dizer desse espetáculo maravilhoso? As únicas coisas que consigo dizer é que ele supriu absolutamente todas as minhas expectativas, mesmo depois de cinco anos sonhando e escutando a trilha original, e que eu não imaginei que fosse me divertir tanto! Wicked fala sobre amizade, confiança e perseverança, deixando grandes lições para todos nós.

Não vejo a hora de março chegar para que eu possa ver Wicked em São Paulo e como se fosse a primeira vez.

Olha nóis aí!

Olha nóis aí!

Bônus¹: Espero que tenha aqui também a Oz Boutique, uma lojinha de souvenires onde comprei meu moletom mais lindo e querido desse mundo todo:

Hoodie Wicked <3

Hoodie Wicked <3

Bônus²: Escute à trilha sonora da Broadway e aqueça-se para o show em 2016 clicando aqui.


 

É isso! Espero que tenham gostado.

Digam aqui nos comentários o que acharam ou lá na página do Outtamind. ♥~

E não esqueçam de responder à pesquisa de público!

04 ago, 2015

Tercinha da resenha: The Maine em São Paulo

No último post falei sobre o The Maine e como o show deles no ano passado mudou a minha forma de curtir shows, principalmente os desses caras incríveis. Domingo (02/08) fui ao meu segundo da banda, parte da Brazilian Candy 2015 Tour.

Para os shows de São Paulo, obviamente as vendas foram meio turbulentas; eu não sei de onde surge tanta gente quando o local é a tal Terrinha da Garoa. Minhas amigas e eu tentamos comprar para o primeiro dia (sábado), segurando o dedo no F5 e… nada. Não lembro ao certo como foi, mas uma delas conseguiu comprar para o segundo dia (domingo) e logo uma delas, que mora perto de mim, também.

Eu tinha ingressos para ver The Maine de novo!

Brazilian Candy 2015 Tour

Brazilian Candy 2015 Tour

Como está escrito no cartaz, os primeiros 400 ingressos dariam direito à um meet and greet com a banda. Ou seja, encontrar, dar um abraço, bater um papinho e tirar uma foto, que posteriormente será postada no Facebook oficial (ainda estou aguardando ansiosamente).

The Maine Setlist Carioca Club, São Paulo, Brazil 2015

O show começou com “Miles Away”, levando o público à loucura com a primeira faixa do álbum trabalhado. Apesar de o Forever Halloween ainda ser meu favorito, o American Candy me conquistou um pouco mais com esse show. Principalmente a faixa homônima.

John O’Callaghan, ou Johno para os fãs, é uma das pessoas mais atenciosas que eu já conheci na minha vida. No ano passado, mal tive tempo de falar com eles, mas desta vez, pude trocar umas palavrinhas. O que mais me impressionou foi o fato de ele ter me dito “Espero que vocês garotas (referindo-se às minhas amigas) gostem do show. Nós tentaremos diverti-las ao máximo. Darei tudo de mim” depois de eu ter lhe desejado um ótimo show. Dei um abraço nele e falei para ele não se preocupar, porque todos nós estávamos lá para vê-los. Ah, o sorriso! ♥

Não sei dar uma de fangirl; acho que nem quando tive o prazer imenso de conhecer o Hanson pessoalmente. Minha admiração por estes caras vai muito além de paixonite platônica. Quando você encontra algo que te completa, a reciprocidade é tão nítida… nem parece que estou falando de música, não é?

O show em si foi maravilhoso. A cada música eu me soltava mais, sem me preocupar se alguém estava me observando… eu só sentia a música e torcia para não trombar com ninguém enquanto ficava de olhos fechados.

Em meio à toda agitação, houveram algumas brincadeiras (John e Garrett ♥), alguns trocadilhos (Brazilian girls, they just like sex) e muita, mas muita motivação por dias melhores.

Encontrei a transcrição do depoimento do John no Rio de Janeiro. Não é exatamente igual ao que ele falou aqui em SP (lembro de algo como “Não esperem até seus 45 anos para começarem a viver. A vida acontece agora!” e também “Essa menina veio sozinha para o show. Ela está vivendo!”), mas vale, e muito, a resenha inteira:

“Eu só quero dizer que esta é a nossa quarta vez aqui no Brasil e é, ugh, tão incrível, cara, vocês não sabem como vocês nos fazem sentir. Espero que alguém na sua vida possa fazer vocês se sentirem como vocês nos fazem sentir. Como tudo o que você tem feito, todo o trabalho duro que você está colocando em algo… nos faz sentir como se isso faz sentido e significa algo para alguém, então eu só quero dizer do fundo do meu coração, muito obrigado por nos ter de volta aqui, cara. Eu só quero dizer pra vocês em tão poucas palavras quanto possível, que todos vocês, todo mundo individualmente, todos nesta sala, todo mundo que você conhece, qualquer pessoa que já conheceu, seus pais, seus amigos, todo mundo … Vocês deveriam saber disso: você é a coisa mais linda na face deste planeta que você já descobriu, ok? Você precisa entender que qualquer coisa que você quer fazer em sua vida é possível, você é capaz de fazer porque vocês são lindos pra caralho. É incrível que vocês estão todos aqui. E se eu aprendi alguma coisa ao longo dos últimos oito anos é que o trabalho duro é tudo, nada vem fácil. Todas essas coisas que você sempre ouviu falar, todo mundo que canta canções sobre essa merda, todo mundo que escreve filmes e dizem “Ei, filho! Nada vem fácil, certo?”, Essa merda é tão verdadeira e sei que ouvimos muitas vezes pra, você sabe, compreender e acreditar, mas eu estou dizendo pra você. Eu não vou me tornar um astronauta porque eu usei muitas drogas no meu passado (rindo). Eu não estou autorizado a ir para o espaço mais, mas tudo além de um astronauta, eu posso ser, você entende isso? E todos vocês podem também, ok? Eu estou em um momento muito, muito legal na minha vida e eu sei que algumas pessoas aí podem ficar muito tristes às vezes. Eu estava muito triste apenas alguns anos atrás, mas a vida é sobre altos e baixos e eu já disse isso antes e vou dizer novamente: a vida não seria o que é e tudo não iria fazer sentido se os momentos bons fossem apenas momentos bons. Vocês tem que entender os momentos ruins, vocês são lindos pra caralho, basta lembrar disso, ok? Estamos aqui por muito pouco tempo para nos colocar pra baixo e ficarmos tristes muito frequentemente, ok? Então, pegue a tristeza, entenda ela e transforme ela naquela felicidade e apenas aproveite um passeio fora e veja aquelas palmeiras, você sabe o que quero dizer? Vocês vivem em um lugar lindo. (toca Into Your Arms) Eu tô falando tão sério e eu sinto muito por estar xingando tanto, se minha mãe estivesse aqui ela estaria muito chateada, mas eu só queria dizer, cara. Por favor, cuidem uns dos outros. Por favor, cuide de si mesmo o mais importante. Eu recebi uma mensagem um longo tempo atrás, provavelmente 3 ou 4 meses, (murmurando) … Porra. É difícil falar sobre isso porque eu já estive muito, muito pra baixo antes e eu já estive … Porra. (começa a chorar e o público grita “we love you) Eu só queria dizer que é muito melhor estar aqui. É muito melhor estar vivo, é muito melhor. Eu só queria dizer que, se você está se sentindo pra baixo, vale a pena continuar seguindo. Vale muito, muito a pena. Somos tão sortudos de ter a oportunidade de viver e de estar aqui, cara, e tudo que eu tenho a dizer é só continue seguindo. Vai melhorar, eu digo para vocês que vai. Tudo fica melhor e vai fazer sentindo quando passar, está bem? Então, por favor, sejam fortes um para o outro, sejam fortes por si mesmo, certo? Porque todos nós merecemos estar aqui. Não importa o que ninguém diz, não importa como você se sente. Você merece pra caralho estar aqui e eu só quero agradecer muito vocês por apoiar o que fazemos e por nos permitir fazer música, me permitir escrever palavras e me expressar e encontrar uma luz no fim do túnel, cara. Então, muito obrigado, eu amo vocês. Obrigado.”

— John O’Callaghan, Rio de Janeiro, 31/07/15 (The Maine Brasil)

Happy bday, Johno.

16 jun, 2015

Tercinha da resenha: BSB em São Paulo

Olá, amiguinhos e amiguinhas! Arrastem os móveis da sala e venham dançar comigo!

No domingo (14) foi o último show da turnê In a World Like This Tour dos Backstreet Boys em São Paulo. Estive lá com minha irmã, que é fã há mais ou menos 18 anos e nunca tinha tido a oportunidade de ir a um show deles.

Quando abriu venda para a primeira noite (sexta, dia 12 de junho), tive um lapso por conta de estresse (na vida assim) e esqueci. Resultado, lembrei algumas horas depois e já tinha esgotado. Inconsolável eu, não me perdoaria se não abrisse outra noite e eu não conseguisse comprar de novo.

No dia em que abriu venda para a segunda noite (sábado, dia 13), fiquei loucamente atualizando a página da Tickets for Fun, tentando colocar qualquer setor no carrinho de compras. Consegui? Não, óbvio. Nem minha irmã da casa dela não conseguiu e em poucas horas todos, absolutamente todos os setores do Citibank Hall estavam esgotados para o sábado.

Desolada, fiquei na torcida para uma terceira noite. Difícil, porém não impossível. Não sei ao certo quanto tempo depois, recebi no meu querido e-mail uma notificação; algo mais ou menos assim:

VAI TER BSB DUAS VEZES EM SP SIM! E SE RECLAMAR, VAI TER TRÊS!

Ok, exagerei um pouco. Mas o ponto é que teve uma terceira noite para eu me revirar toda em frente ao computador e conseguir comprar de vez. Não lembro ao certo como foi. Quando dei por mim, recebi a confirmação de compra no meu e-mail e, hell yeah, eu ia ver Backstreet Boys com a minha irmã!

Vocês já sabem que a banda que mais me encanta neste mundo é Hanson, mas sempre há espaço no meu coração para novos amores… e antigos também, no caso de BSB. <3

Não tenho muito do que reclamar do show. Ficamos na plateia superior e foi tudo bem! Os fãs eram bem respeitosos, como pensei que seriam, pelo público mais velho.

Porém…

O que foi Nick Carter falando que podíamos nos descabelar e gritar como se tivéssemos 15 anos de idade? Ah, querido… Posso ter a idade que você quiser!

The Call é uma das minhas músicas favoritas deles. Lembro nitidamente de ficar em frente à tv esperando o Disk MTV passar o videoclipe.

Meus pontos fracos foram: Don’t Want You Back, Show Me the Meaning of Being Lonely, I’ll Never Break Your Heart, I Want It That Way, 10k Promises, Quit Playing Games, Never Gone, The One, Shape of My Heart, The One, Everybody e Larger Than Life.

Pra falar a verdade prôcês, o show inteiro foi meu ponto fraco, pois o que eu me esgoelei gritei, acho que minhas cordas vocais nunca tinham presenciado. Minha irmã idem, né. Nem sei como não ficamos sem voz no dia seguinte.

O álbum In a World Like This, homônimo à turnê, teve tanto destaque quanto o álbum Millennium – que apresentei à vocês no último playlist da vez -, segundo o setlist.fm. Foram seis músicas no total que, confesso, não conhecia muito bem. Pô, Spotify. Demorou!

A melhor parte de ser fã é fazer parte dessas coisas. O vídeo não está lá essas coisas, mas vale a pena conferir o mar de bexigas brancas no meio da música “The One”. ♥ Ah, e não fui eu que gravei, ok?

BSB em SP

O que tenho a ressaltar, é que eles são absolutamente performers incríveis. Do momento em que entram no palco ao momento que saem, não conseguem parar quietos! AJ arriscou dar uma bitoca numa fã que estava no palco (levando minha irmã à loucura), Brian fez a dança do robô, Howie D. mexeu a “bunda, bunda, bunda”, Nick balançou o esqueleto da forma mais graciosa que ele pôde dançar (ah…) e Kevin… Ah, Kevin… Sem palavras.

Não adianta. Muito difícil ir a um show e não gostar.

09 jun, 2015

Tercinha da resenha: “Americanah”

Tercinha da resenhaaaaa!!!  

Hoje é a primeira resenha de livro que farei. Espero que gostem, pois nunca fiz isso antes – a não ser para um extinto blog meu, que nem lembro mais.

Americanah, edição em inglês Americanah, Companhia das Letras

Autora: Chimamanda Ngozi Adichie
Editora:
 Random House | Companhia das Letras
Ano de publicação: 2013 | 2014
Número de páginas: 470 | 516
Compre aqui: Físico original | Digital original | Físico nacional | Digital nacional
Adicione no Skoob: Original | Nacional

Sinopse da Companhia das Letras

Lagos, anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas greves, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra.
Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze. Quando ela volta para a Nigéria, terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência.
Principal autora nigeriana de sua geração e uma das mais destacadas da cena literária internacional, Chimamanda Ngozi Adichie parte de uma história de amor para debater questões prementes e universais como imigração, preconceito racial e desigualdade de gênero. Bem-humorado, sagaz e implacável, Americanah é, além de seu romance mais arrebatador, um épico contemporâneo.

“Em parte história de amor, em parte crítica social, um dos melhores romances que você lerá no ano.” – Los Angeles Times
“Magistral… Uma história de amor épica…” – O, The Oprah Magazine

  • Vencedor do National Book Critics Circle Award;
  • Eleito um dos 10 melhores livros do ano pela NYT Book Review;
  • Direitos para cinema comprados por Lupita Nyong’o, vencedora do Oscar de melhor atriz coadjuvante por Doze anos de escravidão.

Já falei do discurso sobre o feminismo no TEDxTalks da Chimamanda aqui. É só clicar!

Minha visão (Atenção: pode conter spoilers)

Ifemelu vivia em Lagos, na Nigéria, com seus pais em um apartamento alugado, cujo sempre ficava sem energia por conta da recessão que a região estava sofrendo na época. A vida de Ifemelu de repente vira do avesso: seu pai perde o emprego de anos, sua mãe tem de sustentar a casa com o salário de professora e sua tia médica perde o namorado num conflito militar e precisa sumir com seu primo recém-nascido.

Após conhecer Obinze, o amor de sua vida, e viver no meio de uma greve eterna em sua universidade, Ifemelu se sente confusa: se deve aproveitar a chance de morar nos EUA com sua tia, Uju, ou ficar em sua terra tentando uma melhora de vida para sua família. Por fim, ela decide ir embora e ajudar a cuidar de seu primo, Dike, enquanto as aulas não começam e ela não consegue um emprego, observando de perto a crise sentimental e psicológica de sua tia.

Ifemelu logo cria um blog (oi!) para relatar os causos de uma mulher negra vinda de um país da África. Ela se sente conflituosa por não poder ser quem ela realmente é para viver socialmente – na maioria das vezes, precisa fingir ter sotaque estadunidense, sendo seu sotaque igbu nativo, e sente a necessidade de alisar o cabelo com relaxamentos nocivos à seu coro cabeludo.

Ifemelu acaba deixando de lado seu relacionamento a longa distância (EUA – Nigéria) com Obinze por algo que ela faz por dinheiro, durante seu claro desespero por não conseguir um emprego, mesmo com o cartão-cidadão de outra pessoa (prática comum entre pessoas não-estadunidenses). Ela não responde mais a suas ligações, mensagens, e-mails e nem mesmo correspondências.

O romance é primeiramente narrado no presente, em que Ifemelu está num salão de cabeleireiros fazendo tranças enraizadas para voltar para casa, na Nigéria. O restante da narrativa envolve totalmente o leitor em torno do presente e do passado, que a fez decidir por se mudar e depois voltar.

[Edit] Achei importante ler em inglês, pois há vícios de linguagem que imaginei não serem passíveis de tradução para o português. São vícios de linguagem estadunidenses, nigerianos, ingleses, enfim. [/Edit]

Achei “Americanah” um dos melhores livros que já li, em construção narrativa e em diversidade cultural, pois ele mostra que não é de pobreza que os países da África são construídos. O romance é muito bem contado, com flashbacks e situações no presente.

Porém (ah, sempre tem um)…

Achei que até 80% do livro tudo fluiu muito bem. No fim dele, senti falta de explorar os personagens que já haviam sido apresentados durante a história. Eu sei que o livro deveria se passar em torno da história de Ifemelu somente, porém os outros foram tão bem descritos durante o romance que eu senti falta de um desfecho para eles, ou, pelo menos, citá-los.

Chimamanda escreve muito bem, mas eu senti falta de uma conclusão mais bem escrita. Apesar de o livro ter 470 páginas (em inglês), não me importaria se ele tivesse quase 600 para dar um final bom o suficiente para cada um dos personagens. A impressão que tive, é que o fim do livro teve de ser escrito às pressas.

Chimamanda-Ngozi-Adichie-Americanah-National-Books-Prize-BellaNaija

Chimamanda Ngozi Adichie

Nota:

Trilha sonora

Sempre que leio um livro, escolho um álbum para me acompanhar na trilha sonora, porque me distraio com playlists muito variadas. Neste, escolhi o álbum curtinho, porém muito bom da Solange Knowles, “True”. O clipe de “Losing You” foi gravado inteiramente em Cape Town, na África. Inclusive o álbum tem várias referências do país. ♥

Outra trilha sonora que achei bem propícia para o livro bem no finzinho dele, onde Ifemelu diz “I’m a grown woman!” é essa música maravilhosa, com inserções africanas, da master diva Beyoncé.

É isso! Espero que tenham gostado.

Digam aqui nos comentários o que acharam ou lá na página do Outtamind. ♥~

E não esqueçam de responder à pesquisa de público!