Posts arquivados em Tag: design de livros

09 maio, 2015

Design de livros – Parte 2 (Miolo)

Olá, meus queridos! Cá estou com a segunda parte da série Design de livros: o miolo. Vamos retomar os tópicos:

  1. Capa (Briefing e direção de arte)
  2. Miolo (Criação de projeto gráfico)
  3. Emendas (Revisão)
  4. Arte-finalização
  5. Fechamento de arquivos
  6. Aprovação de plotter
  7. Livro pronto
  8. Feedback dos leitores e reimpressão
  9. Artes para divulgação

Assim como a arte da capa, que falei no primeiro post, precisamos conhecer o público-alvo a fundo. Podem me perguntar Mas o que o miolo tem a ver com o resto do livro? Não é só onde tem o texto dele?

Na verdade, não.

O miolo é tão importante quanto a capa do livro e eles têm que conversar entre si. O ideal, na criação do projeto gráfico do miolo, é que a capa já esteja total ou previamente definida, assim podemos usar a identidade visual  criada para o livro (fontes e adornos).

♥ Estética

Darei mais um exemplo meu, a capa do Sublime, de Christina Lauren. Este livro foi o meu primeiro job do ano de 2015, já começando com o pé direito. Assim que voltamos das férias coletivas, sentei na minha cadeira e comecei a busca por imagens para a capa. Depois da criação da capa – que eu penso ser um dos meus melhores trabalhos, mesmo tendo passado quatro meses –, tinha que diagramar o miolo. Para o projeto gráfico, usei a mesma fonte e um pedaço do glifo (na abertura de capítulo e como separador) da capa. Abaixo vocês podem comprovar melhor:

Sublime, Christina Lauren Miolo de Sublime, Christina Lauren

♥ Técnica

Meu amigo lá da editora, que também é designer, costuma dizer que eu tenho vantagem por saber de desenvolvimento front-end (web) e, não só diagramação de livros mas, de design de livros e impressos também. Quem já mexeu com web, o básico de estilização, sabe que a forma correta de se mexer nos estilos é usando uma folha anexa à sua página, ou CSS.

Em livros, é a mesma coisa. Darei o exemplo ao lado.

Quando pegamos o texto preparado para diagramação, dependendo do livro, há sinalizações de parágrafo para: Continue lendo

10 abr, 2015

Design de livros – Parte 1 (Capa)

Oi, gente. Sei que não apareço aqui há uma semana, mas juro que estive trabalhando muito todos esses dias e também pensando em algo legal para vocês…

Muitas pessoas ficam intrigadas quando digo que sou designer de livros – ou bookdesigner. Perguntam-me qual é o serviço de uma pessoa que faz isso e, bom, não saberia explicar se não fosse por partes. Listarei todas aqui e farei um post para cada.

  1. Capa (Briefing e direção de arte)
  2. Miolo (Criação de projeto gráfico)
  3. Emendas (Revisão)
  4. Arte-finalização
  5. Fechamento de arquivos
  6. Aprovação de plotter
  7. Livro pronto
  8. Feedback dos leitores e reimpressão
  9. Artes para divulgação
♥ O briefing

Mas que raios é isso? De comer? Ah, quem dera (estou com fome).

Brief (eng) = Dossiê. O briefing ou brífingue é um conjunto de informações ou uma coleta de dados passados em uma reunião para o desenvolvimento de um trabalho ou documento. Esse é um instrumento muito utilizado em Administração, Relações Públicas, Design e na Publicidade. O briefing deve produzir um roteiro de ação para criar a solução que o cliente procura, ou seja, é como mapear o problema e, com as pistas identificadas, ter ideias para criar soluções. (Leia mais em: Wikipedia)

Para quem trabalha com ou estuda Comunicação, essa palavra é familiar. Pessoalmente classifico o briefing como a alma do job (lá vem outra palavra publicitária). Sem um bom briefing, não tem como dar prosseguimento ao job. É séria a coisa.

shutterstock.com

Pense comigo:

Você recebe uma proposta de job de um cliente, na qual ele descreve seu produto (um xampu) feito para cabelos oleosos. Logo, você fará uma campanha inteira voltada ao público que tem seus lindos cabelos oleosos, e não secos. Qual a diferença de um produto para um público e para o outro?
Agora, pense se o produto para qual você está trabalhando está descrito errado no briefing. Uma campanha inteira jogada no lixo, não? Briefing errado atinge o público errado. E, também, de acordo com o Artigo 37, da Lei 8078/90, do Código de Defesa do Consumidor, propaganda enganosa é crime.

Agora precisamos separar o briefing em partes: Continue lendo