Posts marcados na categoria Review

29 mar, 2016

Tercinha da resenha: “Uma pequena casa de chá em Cabul”, de Deborah Rodriguez

A resenha desta terça é de um livro que eu li no início do mês e gostei muito:

Título: Uma pequena casa de chá em Cabul
Autor: Deborah Rodriguez
Editora: Quinta Essência / Leya
Páginas: 304
Compre: Fìsico: Amazon, Cultura, Saraiva | Digital: Kindle, Kobo, Lev
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

uma-pequena-casa-de-chá-em-cabul_deborah-rodriguez

Sinopse:
Sunny é a orgulhosa proprietária de uma pequena casa de chá no coração do Afeganistão e precisa de um plano genial – e rápido – para manter o local e os clientes seguros. Yasmina, uma jovem grávida que fora roubada de seu distante vilarejo e abandonada nas ruas violentas de Cabul. Candace, uma americana rica que finalmente trocou o marido pelo amante afegão, o enigmático Wakil. Isabel, uma jornalista determinada com um segredo que pode privá-la da maior reportagem de sua vida. Halajan, a “mãe” do grupo, uma idosa cujo antigo caso de amor vai contra todas as regras. Essa pequena casa de chá em Cabul atende homens e mulheres, expatriados, funcionários da ONU e mercenários; todos em busca de um momento de paz em uma região onde a tensão paira no ar e uma bomba pode explodir a qualquer momento, mas também se torna o cenário para o encontro dessas cinco mulheres que, mesmo tão diferentes entre si, compartilham segredos e tornam-se amigas com uma relação extraordinária.

Assim como o último livro resenhado aqui, o enredo se passa no Oriente Médio, trazendo a cultura da região para nós do Ocidente, de forma não estereotipada e nos dando vontade de visitar a região um dia.

Sunny, uma mulher americana, já passou por muita coisa nesta vida; seu namorado de longadata, Tommy, sempre está fora de casa, trabalhando, deixando-a na esperança de uma “vida normal”. Mesmo assim, ela continua tocando sua casa de chá com a ajuda de Halajan — uma senhora moderna cuja viveu fora da época do talibã e sabe que a vida pode lhe oferecer amor e novas chances — e seu filho, Ahmet, um afegão tradicionalista com os costumes de sua religião. Seus destinos se encontram com os de Yasmina, uma jovem viúva que fora roubada para ser vendida à prostituição, mas que acaba abandonada no meio de Cabul. Candace e Isabel também são importantes para a história, como mulheres estrangeiras, em meio ao caos que o talibã instaura, tentando conciliar a sobrevivência com a vida profissional com a pessoal e amorosa. A narrativa conta a história de cada um dos personagens, de forma individual, até que se encontrem.

O livro conta como as vidas de mulheres podem ser mudadas por “não obedeceram a regras” que lhe foram impostas, sem liberdade de expressão e nem de vida, sobre seus próprios corpos, sendo torturadas, muitas vezes até a morte. Isabel, jornalista da BBC, acaba por encontrar mulheres vivendo em situações extremas em um presídio, com seus filhos pequenos, sem alimentação e sob atrocidades inimagináveis para nós, do Ocidente.

Mesmo em meio à guerra, ele nos mostra, também, como pode ser árduo o caminho em busca do amor, seja ele da família, dos amigos ou o amor romântico, que estamos em constante busca.

casa-de-cha_01

É importante ressaltar como a autora nos traz orgulhosamente um pouco da cultura e da língua dari, em forma de diálogo e descrições de vestimentas, sensações e até o aroma local. Com certeza, Deborah Rodriguez me fez mergulhar sem volta enquanto eu lia.

Quando bati o olho na capa, achei que ele fosse me interessar — e muito. Vocês devem saber que eu sou a louca do chá, assim como todos os meus amigos, então a capa não poderia chamar menos atenção. Eu não poderia deixar de parabenizar o ilustrador da capa, da Retina 78. A diagramação também está maravilhosa, tanto quanto a produção gráfica. Fizeram a capa de dentro pintada com a mesma cor da de fora.

casa-de-cha_02

A respeito da autora, Deborah Rodriguez é cabeleireira, palestrante e tentou ser líder de banda na época do colégio, antes de ser escritora. Em seus romances, ela relata como é viver no Afeganistão, sempre trazendo discussões culturais e significantes à tona.

É isso! Gostaram da trama? Digam aqui nos comentários!

22 mar, 2016

Tercinha da resenha: “O Filho do Hamas”, por Mosab Hassan Yousef

O livro que eu escolhi hoje tem um conteúdo um pouco diferente dos demais livros citados por mim.
Ele foi lançado há bastante tempo, mas só fui ter conhecimento dele ano passado, exatamente 1 ano atrás: O Filho do Hamas.

81H+HUFRnCL

Título: Filho do Hamas
Autor: Mosab Hassan Yousef
Editora: Sextante / Gmt
Páginas: 288
Compre: Físico: Amazon, Cultura, Saraiva | Digital: Kindle, Kobo, Lev
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

Sinopse:

Desde a infância, Mosab Hassan Yousef viveu nos bastidores do grupo fundamentalista islâmico Hamas e testemunhou as manobras políticas e militares que contribuíram para acirrar a sangrenta disputa no Oriente Médio. Por ser filho mais velho de um dos fundadores da organização, todos acreditavam que ele seguiria os passos do pai.

O livro é o relato impressionante do caminho inesperado que o autor resolve seguir ao questionar o sentido de um conflito que só traz sofrimento para inocentes, sejam eles palestinos ou israelenses. Esta é também uma história de transformação pessoal, uma jornada de redescoberta espiritual que começa com a participação de Mosab num grupo de estudos biblícos e culmina na sua conversão ao cristianismo e na crença de que “amar seus inimigos” é o único caminho para a paz no Oriente Médio.

Mosab Hassan Yousef é o filho mais velho do xeique, líder religioso muçulmano, Hassan Yousef, um dos fundadores do Hamas organização palestina que luta contra Israel. Digamos que esse livro caiu de paraquedas em minhas mãos. Estava estudando Economia Política na grade da faculdade, mas ao passar pela prateleira, vi um livro de capa preta, com um rosto, verde sob os olhos e vermelho sob a boca, intitulado O Filho do Hamas.

Desde o ensino fundamental que me falam muito sobre os conflitos no Oriente Médio. Por curiosidade resolvi ler o livro. E não me arrependi. Demorei 2 dias pra finalizar. Levava pra faculdade e lia, passava horas antes de dormir lendo. Eu e minha amiga, as duas lendo o mesmo livro e trocando informações e pesquisando a fundo, intrigada com o enredo que ele traz.

A narrativa desse livro é tão impressionante que, a cada relato, eu me imaginava junto dele nas variadas situações que ele se encontrava. Entender a mente de uma criança, atrofiada numa guerra, sem escrúpulo algum, aprendendo desde pequeno a engolir certos valores que foram passados de pai para filho, e seguindo sua religião fielmente, sem pontos e nem vírgulas. Isso foi o que Mosab passou.

A disputa entre judeus e palestinos é antiga, mas ter relatos de alguém que conviveu com isso desde que nasceu, te dá uma outra perspectiva. E sinceramente, em algumas passagens chega a ser revoltante. Ele nasceu em Ramallahm, Cisjordânia. Assim como seu pai admirava seu avó, Mosab seguia todos os passos de seu pai. Indo todos os dias com seu pai na Mesquita. Achava-o um homem justo, amoroso e determinado, desejando ser como ele.

Visando não permitir que palestinos cruzassem as fronteiras, israelenses os oprimiam, prendendo e perseguindo líderes religiosos que incentivavam organizações como o Hamas. Medo e ódio era o que se sentia pelas ruas da Cisjordânia e Gaza, reflexo desta disputa desenfreada. Como forma de defesa, crianças e outros civis atiravam pedras nos soldados israelenses quando passavam pelos seus ônibus, tanques e carros, dentre eles, Mosab.

Os mais experientes e influentes planejavam ataques terroristas e outras manobras prejudiciais à Israel. Apesar de nunca completamente ligado a esses ataques, dentro desse último grupo temos o pai de Mosab. O pai de Mosab foi preso inúmeras vezes, por ser um dos líderes que incentivavam o Hamas. Em uma dessas prisões, todo viraram as costas para sua família, Mosab e sua mãe tiveram que enfrentar sozinhos dificuldades financeiras, arrumando formas de sustentar a eles e seus irmãos, mas quando seu pai retornava era motivo de festa.

Mosab foi alimentando seu ódio por Israel e todos os judeus, o ponto alto deste ódio é quando prestes a se formar na escola e a completar 18 anos, comprando armas para se defender dos israelenses. Mosab é descoberto, os soldados de Israel o capturam e levam para a prisão, onde é torturado. Ouvindo a mesma sinfonia, por muitas vezes ficando noites sem dormir, sentado em uma cadeira que mal comportava seu corpo.

Mas, um interrogador propõe que ele se torne um colaborador, uma pessoa influente no meio dos terroristas e revolucionários que, secretamente, passa todas as informações que conseguir para o Shin Bet, serviço de inteligência interno de Israel.

“Ao contar minha história, a maior esperança que tenho é mostrar ao meu povo – os palestinos seguidores do Isla, que têm sido usados por regimes corruptos há centenas de anos – que a verdade pode libertá-los. Também faço esse relato para permitir que o povo israelense saiba que há esperança. Se eu, o filho de um dos líderes de uma organização terrorista cujo objetivo é a extinção de Israel, pude chegar a um ponto no qual não apenas aprendi a amar o povo judeu como também arrisquei minha vida por ele, é porque existe um sinal de esperança.”

Mosab se vê entre os valores que aprendeu desde pequeno, o ódio por Israel e o medo de perder a vida. Neste momento do livro, ele diz sim, se tornando um colaborador. Tendo agora uma vida dupla, o certo não é mais certo, e as incertezas regem sua trajetória. Dentre uma das viagens feitas por ele, Mosab descobre o cristianismo, a Bíblia e Jesus.

Mosab agora fica dividido entre sua família, sua Nação, duas religiões, a sua honra, que até então começa a ser questionada. E de forma alguma podendo levantar suspeitas de sua nova identidade, se descobrisse, ele morreria. Mosab começa a refletir sobre quem são seus verdadeiros inimigos, seu verdadeiro Deus e, principalmente, qual a verdadeira solução para o conflito entre palestinos e israelenses.

Os relatos são emocionantes; cada prisão que ele passa, cada situação que ele enfrenta, nos faz perceber o quão frágeis e indefesos somos, o quanto a vida vale para que permaneçamos numa guerra sangrenta e que, no fim, somente os poderosos irão se sobressair disso tudo. Vemos o quanto pessoas inocentes sofrem e acabam pagando por algo inerente a elas.

Se eu posso tirar uma conclusão desse livro, é que, como seres humanos, somos falhos, porém também somos cruéis, na medida em que a situação exige que sejamos.

Não deixem de ler o livro, vale muitíssimo a pena.

Até a próxima!

15 mar, 2016

Tercinha da resenha: “Ela Não É Invisível”, por Marcus Sedgwick

Hey! Terça-feira de mais uma resenha. Resolvi falar de um livro que possui uma capa muito bem elaborada
e de um conteúdo mais elaborado ainda. “Ela não é invisível” é um livro juvenil, porém bastante enriquecedor.

ela-nao-e-invisivel

Título: Ela Não É Invisível
Autor: Marcus Sedgwick
Editora: Galera Record
Páginas: 256
Compre: Físico: Saraiva, Amazon, Cultura | Digital: LevKindle, Kobo
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

Sinopse: Laureth é uma adolescente cega de 16 anos, e seu pai é um autor conhecido por escrever livros divertidos. De uns tempos pra cá, ele trabalha em uma obra sobre coincidências, mas nunca consegue terminá-la. Sua esposa acha que ele está obcecado e prestes a ter um ataque de nervos. Laureth sabe que o casamento dos pais vai de mal a pior quando, de repente, seu pai desaparece em uma viagem para a Áustria e seu caderno de anotações é encontrado misteriosamente em Nova York. Convencida de que algo muito errado está acontecendo, ela toma uma decisão impulsiva e perigosa: rouba o cartão de crédito da mãe, sequestra o irmão mais novo e entra em um avião rumo a Nova York para procurar o pai. Mas a cidade grande guarda muitos perigos para uma jovem cega e seu irmãozinho de 7 anos.

Laureth Peak é filha de um escritor renomado de livros humorísticos. Para ajudar seu pai, Jack Peak, Laureth é responsável por responder os e-mails que ele recebe de seus fãs e críticos. Nisso, ela recebe um e-mail estranho, no qual um homem afirmava ter o caderno de anotações de seu pai, e que ela teria que ira até Nova York para obtê-lo novamente e pagar a recompensa que ele propunha. Como o caderno de seu pai havia ido parar tão distante, sendo que ele tinha viajado para a Suíça? Seu pai, havia decidido mudar o gênero de seus próximos livros. Obsessivo pelo número 354, Jack viajara incontáveis vezes atrás de informações sobre coincidências para produzir a sua nova obra.

Intrigada e disposta a ter o caderno de volta, Laureth cheia de indagações, decide ir da Inglaterra para os Estados Unidos, a procura de seu pai. Ela não contava com o apoio de sua mãe, visto que seus pais estavam em constante discussões e desavenças, dada a circunstância paranoica dele.

A menina resolve roubar o cartão de crédito de sua mãe e de quebra levando seu irmão consigo, ela se aventura para um destino incerto e perigoso. Sem enxergar, devido a sua cegueira, Laureth deve confiar em seu irmão Beijamin, de apenas 7 anos, e em seu instinto, até encontrar seu pai.

Esse livro foi uma inconstância para mim. Fiquei sabendo de sua existência no segundo semestre do ano passado, meio em dúvida se iria ler, já que a sinopse não havia me convencido muito.

Mas a prímicia de lê-lo foi algo prazeroso. A personagem principal é sem dúvida cativante, forte e uma personalidade totalmente diferenciada. Claro, sem deixar de lado seu irmão, que tem sua dose cativa. Ajudando a irmã em todos os momentos nessa ideia louca, logo já se nota a solidão dessa criança, mas nada que o deixe de merecer ser lembrado.

Não se engane com Laureth, ela pode ser cega, mas é independente, e enfrenta suas limitações, seus sentimentos estimulam a leitura, ainda mais pela narrativa ser em primeira pessoa. E ter uma linguagem mais acessível. Ela não é invisível, critica fortemente o preconceito sofrido pelos deficientes físicos. Não conseguimos compreender as limitações dos outros, até que ele se torne nossa condição ou de alguém ao nosso redor.

Se você olhar por outra perspectiva, e tratar a personagem como algo real, a lição que aprendemos é perfeitamente como um murro em nossas barreira e pré-julgamentos. A sua força de vontade é algo especial, não importa sua fraqueza física, ela ultrapassa isso facilmente. Sem contar a admiração de Laureth por Jack, as dificuldades que ela e seu irmão enfrentaram, mas um se apoiando no outro, a relação dos irmãos no decorrer do livro é algo emocionante.

“Não me importo em ser cega. O que me incomoda são as pessoas me tratando como se eu fosse idiota.”

No caderno de seu pai, havia várias referências de Carl Jung, Edgar Allan Poe e Freud. O autor Marcus Sedgwick, no final de alguns capítulos, mostrou aos leitores o que Jack escrevia em seu livro. Leis da física, vários pensadores enaltecidos nas ideias do personagem a cerca de “coincidências”. O mistério desse livro é carregado até o fim, onde o autor toma um rumo que pode não ser tão agradável, mas compreensível. Marcus Sedgwick, consegue explorar uma bela reflexão filosófica, além de se aprofundar em um mundo de incertezas e perspectivas de personagem totalmente reversos. É uma trama juvenil que vale a pena conferir, e se deixar envolver por um novo olhar.

Nota: 4/5 — Só pelo final não ter superado tanto as expectativas, e pelo fechamento que o desencadeou.

23 fev, 2016

“O Demonologista”, por Andrew Pyper

capa_demonologista

“A maior astúcia do Diabo é nos convencer de que ele não existe”, escreveu o poeta francês Charles Baudelaire. Já a grande astúcia de Andrew Pyper, autor de O DEMONOLOGISTA (DarkSide® Books, 2015), é fazer até o mais cético dos leitores duvidar de suas certezas. E, se possível, evitar caminhos mal-iluminados.

O personagem que dá título ao best-seller internacional é David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, especializado na figura literária do Diabo – principalmente na obra-prima de John Milton, Paraíso Perdido. Para David, o Anjo Caído é apenas um ser mitológico.
Ao aceitar um convite para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza, David começa a ter motivos pessoais para mudar de opinião. O que seria apenas um boa desculpa para tirar férias na Itália com sua filha de 12 anos se transforma em uma jornada assustadora aos recantos mais sombrios da alma.

Enquanto corre contra o tempo, David precisa decifrar pistas escondidas no clássico Paraíso Perdido, e usar tudo o que aprendeu para enfrentar O Inominável e salvar sua filha do Inferno.

Já tem um tempo que eu li O Demonologista – li alguns livros depois, inclusive –, mas queria muito falar dele aqui no blog, por ser um livro numa pegada diferente e tudo mais.

Título: O Demonologista
Autor: Andrew Pyper
Editora: DarkSide Books
Número de páginas: 320
Compre na Amazon: Físico | Digital
Adicione no Skoob: Nacional | Original

Comecei a ler por influência do bonito do Lucas, que pegou emprestado de uma amiga nossa. Ele falava do livro com tanta empolgação que tive que ver com meus próprios olhos, literalmente.

Baixei no Kobo e tentei acompanhá-lo. No prefácio fiquei com o coração e os cabelos na mão, sentindo-me um pouco mal – tenho sensibilidade à essas coisas –, ainda mais sendo narrado pela filha de David Ullman, uma criança de apenas nove anos.

Pois bem, os fatos começaram a ocorrer e eu comecei a devorar o livro somente no caminho de casa para o serviço. O anseio pela cena da primeira possessão me deixou muito apreensiva, me fazendo praticamente engolir o livro até quando estava em casa. . Sou muito suscetível à espaço e tempo e a narrativa de Andrew Pyper prende demais, DEMAIS; quem me conhece sabe como dou valor à uma boa narrativa.

O Demonologista - Outtamind.com

Em seguida a menina some e nós não sabemos o que realmente lhe acontece… e acho que a emoção deu uma freada por aí.

As cenas de possessão já não me deixavam mais agoniada e eu ansiava pelo desfecho do livro. Acho que Ullman sofre demais durante todo o tempo, por mais que ele tenha passado a acreditar em coisas que antes duvidava. O fim é incerto. Eu tive uma interpretação, Lucas teve outra… o que nos rendeu um almoço de discussão. Inclusive ele disse, desde o início, que achou ser parecido com Constantine. Eu nunca assisti – porque, oi, minha irmã mais velha não me deixou na época, embora eu nunca tivesse medo de filmes –, então não tenho como opinar neste caso.

O acabamento do livro é nota 10. A DarkSide Books investiu e muito bem nisso. A lombada parece ter sido arrancada ou ter caído, assim como livros antigos. A capa é dura, tem laminação soft touch e um tipo de verniz localizado que simula algo arranhado.

Nota: 3.5/5só porque o enredo foi superestimado; infelizmente, eu esperava mais.

04 ago, 2015

Tercinha da resenha: The Maine em São Paulo

No último post falei sobre o The Maine e como o show deles no ano passado mudou a minha forma de curtir shows, principalmente os desses caras incríveis. Domingo (02/08) fui ao meu segundo da banda, parte da Brazilian Candy 2015 Tour.

Para os shows de São Paulo, obviamente as vendas foram meio turbulentas; eu não sei de onde surge tanta gente quando o local é a tal Terrinha da Garoa. Minhas amigas e eu tentamos comprar para o primeiro dia (sábado), segurando o dedo no F5 e… nada. Não lembro ao certo como foi, mas uma delas conseguiu comprar para o segundo dia (domingo) e logo uma delas, que mora perto de mim, também.

Eu tinha ingressos para ver The Maine de novo!

Brazilian Candy 2015 Tour

Brazilian Candy 2015 Tour

Como está escrito no cartaz, os primeiros 400 ingressos dariam direito à um meet and greet com a banda. Ou seja, encontrar, dar um abraço, bater um papinho e tirar uma foto, que posteriormente será postada no Facebook oficial (ainda estou aguardando ansiosamente).

The Maine Setlist Carioca Club, São Paulo, Brazil 2015

O show começou com “Miles Away”, levando o público à loucura com a primeira faixa do álbum trabalhado. Apesar de o Forever Halloween ainda ser meu favorito, o American Candy me conquistou um pouco mais com esse show. Principalmente a faixa homônima.

John O’Callaghan, ou Johno para os fãs, é uma das pessoas mais atenciosas que eu já conheci na minha vida. No ano passado, mal tive tempo de falar com eles, mas desta vez, pude trocar umas palavrinhas. O que mais me impressionou foi o fato de ele ter me dito “Espero que vocês garotas (referindo-se às minhas amigas) gostem do show. Nós tentaremos diverti-las ao máximo. Darei tudo de mim” depois de eu ter lhe desejado um ótimo show. Dei um abraço nele e falei para ele não se preocupar, porque todos nós estávamos lá para vê-los. Ah, o sorriso! ♥

Não sei dar uma de fangirl; acho que nem quando tive o prazer imenso de conhecer o Hanson pessoalmente. Minha admiração por estes caras vai muito além de paixonite platônica. Quando você encontra algo que te completa, a reciprocidade é tão nítida… nem parece que estou falando de música, não é?

O show em si foi maravilhoso. A cada música eu me soltava mais, sem me preocupar se alguém estava me observando… eu só sentia a música e torcia para não trombar com ninguém enquanto ficava de olhos fechados.

Em meio à toda agitação, houveram algumas brincadeiras (John e Garrett ♥), alguns trocadilhos (Brazilian girls, they just like sex) e muita, mas muita motivação por dias melhores.

Encontrei a transcrição do depoimento do John no Rio de Janeiro. Não é exatamente igual ao que ele falou aqui em SP (lembro de algo como “Não esperem até seus 45 anos para começarem a viver. A vida acontece agora!” e também “Essa menina veio sozinha para o show. Ela está vivendo!”), mas vale, e muito, a resenha inteira:

“Eu só quero dizer que esta é a nossa quarta vez aqui no Brasil e é, ugh, tão incrível, cara, vocês não sabem como vocês nos fazem sentir. Espero que alguém na sua vida possa fazer vocês se sentirem como vocês nos fazem sentir. Como tudo o que você tem feito, todo o trabalho duro que você está colocando em algo… nos faz sentir como se isso faz sentido e significa algo para alguém, então eu só quero dizer do fundo do meu coração, muito obrigado por nos ter de volta aqui, cara. Eu só quero dizer pra vocês em tão poucas palavras quanto possível, que todos vocês, todo mundo individualmente, todos nesta sala, todo mundo que você conhece, qualquer pessoa que já conheceu, seus pais, seus amigos, todo mundo … Vocês deveriam saber disso: você é a coisa mais linda na face deste planeta que você já descobriu, ok? Você precisa entender que qualquer coisa que você quer fazer em sua vida é possível, você é capaz de fazer porque vocês são lindos pra caralho. É incrível que vocês estão todos aqui. E se eu aprendi alguma coisa ao longo dos últimos oito anos é que o trabalho duro é tudo, nada vem fácil. Todas essas coisas que você sempre ouviu falar, todo mundo que canta canções sobre essa merda, todo mundo que escreve filmes e dizem “Ei, filho! Nada vem fácil, certo?”, Essa merda é tão verdadeira e sei que ouvimos muitas vezes pra, você sabe, compreender e acreditar, mas eu estou dizendo pra você. Eu não vou me tornar um astronauta porque eu usei muitas drogas no meu passado (rindo). Eu não estou autorizado a ir para o espaço mais, mas tudo além de um astronauta, eu posso ser, você entende isso? E todos vocês podem também, ok? Eu estou em um momento muito, muito legal na minha vida e eu sei que algumas pessoas aí podem ficar muito tristes às vezes. Eu estava muito triste apenas alguns anos atrás, mas a vida é sobre altos e baixos e eu já disse isso antes e vou dizer novamente: a vida não seria o que é e tudo não iria fazer sentido se os momentos bons fossem apenas momentos bons. Vocês tem que entender os momentos ruins, vocês são lindos pra caralho, basta lembrar disso, ok? Estamos aqui por muito pouco tempo para nos colocar pra baixo e ficarmos tristes muito frequentemente, ok? Então, pegue a tristeza, entenda ela e transforme ela naquela felicidade e apenas aproveite um passeio fora e veja aquelas palmeiras, você sabe o que quero dizer? Vocês vivem em um lugar lindo. (toca Into Your Arms) Eu tô falando tão sério e eu sinto muito por estar xingando tanto, se minha mãe estivesse aqui ela estaria muito chateada, mas eu só queria dizer, cara. Por favor, cuidem uns dos outros. Por favor, cuide de si mesmo o mais importante. Eu recebi uma mensagem um longo tempo atrás, provavelmente 3 ou 4 meses, (murmurando) … Porra. É difícil falar sobre isso porque eu já estive muito, muito pra baixo antes e eu já estive … Porra. (começa a chorar e o público grita “we love you) Eu só queria dizer que é muito melhor estar aqui. É muito melhor estar vivo, é muito melhor. Eu só queria dizer que, se você está se sentindo pra baixo, vale a pena continuar seguindo. Vale muito, muito a pena. Somos tão sortudos de ter a oportunidade de viver e de estar aqui, cara, e tudo que eu tenho a dizer é só continue seguindo. Vai melhorar, eu digo para vocês que vai. Tudo fica melhor e vai fazer sentindo quando passar, está bem? Então, por favor, sejam fortes um para o outro, sejam fortes por si mesmo, certo? Porque todos nós merecemos estar aqui. Não importa o que ninguém diz, não importa como você se sente. Você merece pra caralho estar aqui e eu só quero agradecer muito vocês por apoiar o que fazemos e por nos permitir fazer música, me permitir escrever palavras e me expressar e encontrar uma luz no fim do túnel, cara. Então, muito obrigado, eu amo vocês. Obrigado.”

— John O’Callaghan, Rio de Janeiro, 31/07/15 (The Maine Brasil)

Happy bday, Johno.