Tercinha da resenha: “Sr. Daniels”, por Brittainy C. Cherry

17.05.2016

Mais uma resenha nesta terça, um friozinho, um chá e um livro pra acompanhar: um belo cenário, digamos. E eu trouxe hoje Sr. Daniels, gostei bastante do contexto da história, apesar da autora ser nova no ramo, ela soube trabalhar muito bem a dramática contida no livro.

Sr. Daniels
Sinopse:
Depois de perder a irmã gêmea para a leucemia, Ashlyn Jennings vê sua vida mudar completamente. Além de ter de aprender a conviver sem parte de si mesma, ela precisa se adaptar a uma nova rotina. Enviada pela mãe para a casa do pai, com quem mal conviveu até então, ela viaja de trem para Edgewood, Wisconsin, carregando poucos pertences, muitas lembranças e uma caixa misteriosa deixada pela irmã. Na estação de trem Ashlyn conhece o músico Daniel, um rapaz lindo e gentil, e a atração é imediata. Os dois compartilham não só o amor pela música e por William Shakespeare mas também a dor provocada por perdas irreparáveis. Ao sentir-se esperançosa quanto a sua nova vida, Ashlyn começa o ano letivo na escola onde o pai é diretor. E não consegue acreditar quando descobre, no primeiro dia de aula, que Daniel, o belo músico de olhos azuis com quem já está completamente envolvida, é o Sr. Daniels, seu professor de inglês. Desorientados, eles precisam manter seu amor em segredo, e são forçados a se ver como dois desconhecidos na escola. E, como se isso já não fosse difícil o bastante, eles ainda precisam tentar de todas as formas superar os antigos problemas e sobreviver a novos e inesperados conflitos.

Ashlyn havia perdido o sentido de viver juntamente com a morte de sua irmã gêmea, Gabby. Ela perde a graça em tudo, nas pequenas coisas, ainda mais durante o velório de sua irmã, ao se deparar com o seu paique nunca estava presente, até porque ele havia formado uma nova família. Sua mãe que desde que descobriu a Leucemia de sua outra filha, havia se distanciado e tendo uma relação bastante conturbada.

Mas Gabby, mesmo morta, deixou uma lista de coisas para Ashlyn fazer, e para cada item da lista, havia uma carta escrita. Mesmo diante disso Ashlyn é obrigada a ir morar com seu pai, com que não tinha nenhum tipo de vínculo. Tendo que se desfazer de tudo o que conhecia até então, ela é mandada para casa do pai com quem não tinha nenhum laço.

Durante a viagem de trem que a levaria para longe, ela conhece um rapaz de belos olhos azuis e que toca seu coração ferido de uma maneira surreal. Ela não sabe porque, mas algo a conduz a ele mesmo quando tudo o que ela tem vontade de fazer é chorar desesperadamente.

Tudo fica ainda mais conturbado, um pai sem saber como lidar com a situação, sua madrasta tentando ser um nível de perfeição, mas uma grata surpresa ela recebe, seus novos “irmãos” são pessoas muito melhores do que ela havia pensado. Enquanto ainda esperava seu pai buscá-la na estação, o belo homem de olhos azuis a convida para escutá-lo tocar em um clube da cidade. Ashlyn vai ao seu encontro, Daniel Daniels, esse era o nome dele. O mesmo cara que a encantou com a sua música e sua paixão por Shakspeare, seria o seu professor de Inglês.

Sem saber como lidar com essa nova informação, ela tem que aprender a lidar com os seus sentimentos pelo Sr. Daniels ao mesmo tempo em que precisa encontrar uma maneira de superar a falta de sua irmã.

Narrativa na perspectiva tanto de Ashlyn quanto de Daniel, o livro mostra como ambos lidam com suas cargas e dores. Ambos sabem que um pertencem um ao outro, mesmo tentando manterem distância devido ao emprego de Daniel estar em risco se alguém descobrisse o relacionamento deles. Além disso, Ashlyn vai construíndo uma relação com os filhos de sua madrasta, a ponto de serem inseparáveis. Todos de alguma forma, ajudam ela a completar um item da lista.

Gostei de como a autora não focou apenas no drama professor e aluna da relação entre Ashlyn e Daniel, como também sua relação com o pai, que foi construída aos poucos e sua relação com seus novos “irmãos” e os conflitos de cada um, além de temas como homossexualidade, drogas, bullying e impunidade.

Para mim, o ponto mais forte do livro é com a morte de um dos personagens, Ryan, filho de sua madrasta. Após anunciar a mãe que era Gay, e ela não lidar muito bem
com a situação e o acusá-lo de ser responsável pela morte de seu pai. Ryan, pega as drogas que estavam na mochila do irmão de Daniel, e acaba perdendo o controle da direção e morrendo. Neste ápice, não tem que não se segure, o abalo dos personagens é tão forte, que se deixa uma interrogação a partir dali: Como seria a vida de todos sem Gabby?

Sr. Daniel mostra as inseguranças de adolescentes, as descobertas dos prazeres, o enfrentamento da dor, as novas amizades, o nascimento e fortificação de um vínculo amoroso intenso, e que faz com que todos se sintam cativados e apaixonados por esse livro.

A autora Brittainy conseguiu inserir em um personagem masculino, toda a delicadeza e personalidade marcante que ele merece, e a personagem feminina, a garra e determinação que toda mulher possui dentro de si. Só teve algo que não lidei muito bem, que foi o excesso de drama em determinadas partes, mas nada que tire o brilho desse livro.

“Lembre sempre do nosso primeiro olhar, e seu coração vai saber que sou o bastante” – Sr. Daniels

Portanto, minha nota pra esse livro é 4.

Até semana que vem.


Siga nas redes sociais:



Deixe o seu comentário