Tercinha da resenha: “Uma pequena casa de chá em Cabul”, de Deborah Rodriguez

29.03.2016

A resenha desta terça é de um livro que eu li no início do mês e gostei muito:

Título: Uma pequena casa de chá em Cabul
Autor: Deborah Rodriguez
Editora: Quinta Essência / Leya
Páginas: 304
Compre: Fìsico: Amazon, Cultura, Saraiva | Digital: Kindle, Kobo, Lev
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

uma-pequena-casa-de-chá-em-cabul_deborah-rodriguez

Sinopse:
Sunny é a orgulhosa proprietária de uma pequena casa de chá no coração do Afeganistão e precisa de um plano genial – e rápido – para manter o local e os clientes seguros. Yasmina, uma jovem grávida que fora roubada de seu distante vilarejo e abandonada nas ruas violentas de Cabul. Candace, uma americana rica que finalmente trocou o marido pelo amante afegão, o enigmático Wakil. Isabel, uma jornalista determinada com um segredo que pode privá-la da maior reportagem de sua vida. Halajan, a “mãe” do grupo, uma idosa cujo antigo caso de amor vai contra todas as regras. Essa pequena casa de chá em Cabul atende homens e mulheres, expatriados, funcionários da ONU e mercenários; todos em busca de um momento de paz em uma região onde a tensão paira no ar e uma bomba pode explodir a qualquer momento, mas também se torna o cenário para o encontro dessas cinco mulheres que, mesmo tão diferentes entre si, compartilham segredos e tornam-se amigas com uma relação extraordinária.

Assim como o último livro resenhado aqui, o enredo se passa no Oriente Médio, trazendo a cultura da região para nós do Ocidente, de forma não estereotipada e nos dando vontade de visitar a região um dia.

Sunny, uma mulher americana, já passou por muita coisa nesta vida; seu namorado de longadata, Tommy, sempre está fora de casa, trabalhando, deixando-a na esperança de uma “vida normal”. Mesmo assim, ela continua tocando sua casa de chá com a ajuda de Halajan — uma senhora moderna cuja viveu fora da época do talibã e sabe que a vida pode lhe oferecer amor e novas chances — e seu filho, Ahmet, um afegão tradicionalista com os costumes de sua religião. Seus destinos se encontram com os de Yasmina, uma jovem viúva que fora roubada para ser vendida à prostituição, mas que acaba abandonada no meio de Cabul. Candace e Isabel também são importantes para a história, como mulheres estrangeiras, em meio ao caos que o talibã instaura, tentando conciliar a sobrevivência com a vida profissional com a pessoal e amorosa. A narrativa conta a história de cada um dos personagens, de forma individual, até que se encontrem.

O livro conta como as vidas de mulheres podem ser mudadas por “não obedeceram a regras” que lhe foram impostas, sem liberdade de expressão e nem de vida, sobre seus próprios corpos, sendo torturadas, muitas vezes até a morte. Isabel, jornalista da BBC, acaba por encontrar mulheres vivendo em situações extremas em um presídio, com seus filhos pequenos, sem alimentação e sob atrocidades inimagináveis para nós, do Ocidente.

Mesmo em meio à guerra, ele nos mostra, também, como pode ser árduo o caminho em busca do amor, seja ele da família, dos amigos ou o amor romântico, que estamos em constante busca.

casa-de-cha_01

É importante ressaltar como a autora nos traz orgulhosamente um pouco da cultura e da língua dari, em forma de diálogo e descrições de vestimentas, sensações e até o aroma local. Com certeza, Deborah Rodriguez me fez mergulhar sem volta enquanto eu lia.

Quando bati o olho na capa, achei que ele fosse me interessar — e muito. Vocês devem saber que eu sou a louca do chá, assim como todos os meus amigos, então a capa não poderia chamar menos atenção. Eu não poderia deixar de parabenizar o ilustrador da capa, da Retina 78. A diagramação também está maravilhosa, tanto quanto a produção gráfica. Fizeram a capa de dentro pintada com a mesma cor da de fora.

casa-de-cha_02

A respeito da autora, Deborah Rodriguez é cabeleireira, palestrante e tentou ser líder de banda na época do colégio, antes de ser escritora. Em seus romances, ela relata como é viver no Afeganistão, sempre trazendo discussões culturais e significantes à tona.

É isso! Gostaram da trama? Digam aqui nos comentários!


Siga nas redes sociais:



Deixe o seu comentário