Tercinha da resenha: “O Filho do Hamas”, por Mosab Hassan Yousef

22.03.2016

O livro que eu escolhi hoje tem um conteúdo um pouco diferente dos demais livros citados por mim.
Ele foi lançado há bastante tempo, mas só fui ter conhecimento dele ano passado, exatamente 1 ano atrás: O Filho do Hamas.

81H+HUFRnCL

Título: Filho do Hamas
Autor: Mosab Hassan Yousef
Editora: Sextante / Gmt
Páginas: 288
Compre: Físico: Amazon, Cultura, Saraiva | Digital: Kindle, Kobo, Lev
Adicione à sua estante: Skoob | Goodreads

Sinopse:

Desde a infância, Mosab Hassan Yousef viveu nos bastidores do grupo fundamentalista islâmico Hamas e testemunhou as manobras políticas e militares que contribuíram para acirrar a sangrenta disputa no Oriente Médio. Por ser filho mais velho de um dos fundadores da organização, todos acreditavam que ele seguiria os passos do pai.

O livro é o relato impressionante do caminho inesperado que o autor resolve seguir ao questionar o sentido de um conflito que só traz sofrimento para inocentes, sejam eles palestinos ou israelenses. Esta é também uma história de transformação pessoal, uma jornada de redescoberta espiritual que começa com a participação de Mosab num grupo de estudos biblícos e culmina na sua conversão ao cristianismo e na crença de que “amar seus inimigos” é o único caminho para a paz no Oriente Médio.

Mosab Hassan Yousef é o filho mais velho do xeique, líder religioso muçulmano, Hassan Yousef, um dos fundadores do Hamas organização palestina que luta contra Israel. Digamos que esse livro caiu de paraquedas em minhas mãos. Estava estudando Economia Política na grade da faculdade, mas ao passar pela prateleira, vi um livro de capa preta, com um rosto, verde sob os olhos e vermelho sob a boca, intitulado O Filho do Hamas.

Desde o ensino fundamental que me falam muito sobre os conflitos no Oriente Médio. Por curiosidade resolvi ler o livro. E não me arrependi. Demorei 2 dias pra finalizar. Levava pra faculdade e lia, passava horas antes de dormir lendo. Eu e minha amiga, as duas lendo o mesmo livro e trocando informações e pesquisando a fundo, intrigada com o enredo que ele traz.

A narrativa desse livro é tão impressionante que, a cada relato, eu me imaginava junto dele nas variadas situações que ele se encontrava. Entender a mente de uma criança, atrofiada numa guerra, sem escrúpulo algum, aprendendo desde pequeno a engolir certos valores que foram passados de pai para filho, e seguindo sua religião fielmente, sem pontos e nem vírgulas. Isso foi o que Mosab passou.

A disputa entre judeus e palestinos é antiga, mas ter relatos de alguém que conviveu com isso desde que nasceu, te dá uma outra perspectiva. E sinceramente, em algumas passagens chega a ser revoltante. Ele nasceu em Ramallahm, Cisjordânia. Assim como seu pai admirava seu avó, Mosab seguia todos os passos de seu pai. Indo todos os dias com seu pai na Mesquita. Achava-o um homem justo, amoroso e determinado, desejando ser como ele.

Visando não permitir que palestinos cruzassem as fronteiras, israelenses os oprimiam, prendendo e perseguindo líderes religiosos que incentivavam organizações como o Hamas. Medo e ódio era o que se sentia pelas ruas da Cisjordânia e Gaza, reflexo desta disputa desenfreada. Como forma de defesa, crianças e outros civis atiravam pedras nos soldados israelenses quando passavam pelos seus ônibus, tanques e carros, dentre eles, Mosab.

Os mais experientes e influentes planejavam ataques terroristas e outras manobras prejudiciais à Israel. Apesar de nunca completamente ligado a esses ataques, dentro desse último grupo temos o pai de Mosab. O pai de Mosab foi preso inúmeras vezes, por ser um dos líderes que incentivavam o Hamas. Em uma dessas prisões, todo viraram as costas para sua família, Mosab e sua mãe tiveram que enfrentar sozinhos dificuldades financeiras, arrumando formas de sustentar a eles e seus irmãos, mas quando seu pai retornava era motivo de festa.

Mosab foi alimentando seu ódio por Israel e todos os judeus, o ponto alto deste ódio é quando prestes a se formar na escola e a completar 18 anos, comprando armas para se defender dos israelenses. Mosab é descoberto, os soldados de Israel o capturam e levam para a prisão, onde é torturado. Ouvindo a mesma sinfonia, por muitas vezes ficando noites sem dormir, sentado em uma cadeira que mal comportava seu corpo.

Mas, um interrogador propõe que ele se torne um colaborador, uma pessoa influente no meio dos terroristas e revolucionários que, secretamente, passa todas as informações que conseguir para o Shin Bet, serviço de inteligência interno de Israel.

“Ao contar minha história, a maior esperança que tenho é mostrar ao meu povo – os palestinos seguidores do Isla, que têm sido usados por regimes corruptos há centenas de anos – que a verdade pode libertá-los. Também faço esse relato para permitir que o povo israelense saiba que há esperança. Se eu, o filho de um dos líderes de uma organização terrorista cujo objetivo é a extinção de Israel, pude chegar a um ponto no qual não apenas aprendi a amar o povo judeu como também arrisquei minha vida por ele, é porque existe um sinal de esperança.”

Mosab se vê entre os valores que aprendeu desde pequeno, o ódio por Israel e o medo de perder a vida. Neste momento do livro, ele diz sim, se tornando um colaborador. Tendo agora uma vida dupla, o certo não é mais certo, e as incertezas regem sua trajetória. Dentre uma das viagens feitas por ele, Mosab descobre o cristianismo, a Bíblia e Jesus.

Mosab agora fica dividido entre sua família, sua Nação, duas religiões, a sua honra, que até então começa a ser questionada. E de forma alguma podendo levantar suspeitas de sua nova identidade, se descobrisse, ele morreria. Mosab começa a refletir sobre quem são seus verdadeiros inimigos, seu verdadeiro Deus e, principalmente, qual a verdadeira solução para o conflito entre palestinos e israelenses.

Os relatos são emocionantes; cada prisão que ele passa, cada situação que ele enfrenta, nos faz perceber o quão frágeis e indefesos somos, o quanto a vida vale para que permaneçamos numa guerra sangrenta e que, no fim, somente os poderosos irão se sobressair disso tudo. Vemos o quanto pessoas inocentes sofrem e acabam pagando por algo inerente a elas.

Se eu posso tirar uma conclusão desse livro, é que, como seres humanos, somos falhos, porém também somos cruéis, na medida em que a situação exige que sejamos.

Não deixem de ler o livro, vale muitíssimo a pena.

Até a próxima!


Siga nas redes sociais:



Deixe o seu comentário