Design de livros – Parte 2 (Miolo)

09.05.2015

Olá, meus queridos! Cá estou com a segunda parte da série Design de livros: o miolo. Vamos retomar os tópicos:

  1. Capa (Briefing e direção de arte)
  2. Miolo (Criação de projeto gráfico)
  3. Emendas (Revisão)
  4. Arte-finalização
  5. Fechamento de arquivos
  6. Aprovação de plotter
  7. Livro pronto
  8. Feedback dos leitores e reimpressão
  9. Artes para divulgação

Assim como a arte da capa, que falei no primeiro post, precisamos conhecer o público-alvo a fundo. Podem me perguntar Mas o que o miolo tem a ver com o resto do livro? Não é só onde tem o texto dele?

Na verdade, não.

O miolo é tão importante quanto a capa do livro e eles têm que conversar entre si. O ideal, na criação do projeto gráfico do miolo, é que a capa já esteja total ou previamente definida, assim podemos usar a identidade visual  criada para o livro (fontes e adornos).

♥ Estética

Darei mais um exemplo meu, a capa do Sublime, de Christina Lauren. Este livro foi o meu primeiro job do ano de 2015, já começando com o pé direito. Assim que voltamos das férias coletivas, sentei na minha cadeira e comecei a busca por imagens para a capa. Depois da criação da capa – que eu penso ser um dos meus melhores trabalhos, mesmo tendo passado quatro meses –, tinha que diagramar o miolo. Para o projeto gráfico, usei a mesma fonte e um pedaço do glifo (na abertura de capítulo e como separador) da capa. Abaixo vocês podem comprovar melhor:

Sublime, Christina Lauren Miolo de Sublime, Christina Lauren

♥ Técnica

Meu amigo lá da editora, que também é designer, costuma dizer que eu tenho vantagem por saber de desenvolvimento front-end (web) e, não só diagramação de livros mas, de design de livros e impressos também. Quem já mexeu com web, o básico de estilização, sabe que a forma correta de se mexer nos estilos é usando uma folha anexa à sua página, ou CSS.

Em livros, é a mesma coisa. Darei o exemplo ao lado.

Quando pegamos o texto preparado para diagramação, dependendo do livro, há sinalizações de parágrafo para:

  • Texto | p
  • Título; | h1
  • Subtítulo; | h2
  • Subtítulo 2; | h3
  • Subtítulo 3; | h4
  • Lista numerada; | ol
  • Lista não numerada; | ul
  • Citação etc. | blockquote

E de caractere:

  • Bold ou negrito; | b, strong
  • Italic ou itálico; | i, em
  • Underline ou sublinhado; | u
  • Versal versalete; | small
  • Supercript ou sobrescrito; | sup

Cada tipo de elemento precisa ter um estilo predefinido na aba de estilo de parágrafo no InDesign, como num CSS.

Se para texto, usaríamos:

p {font-family: times new roman; font-size: 12px; line-height: 15px; text-align: justify;}

No InDesign teríamos que fazer a mesma coisa, criando um novo estilo na aba de estilos de parágrafo e clicando com o botão direito.

Também importantíssimo, precisamos criar a master page ou as master spreads para termos um padrão. Se é sem rodapé ou cabeços, então ela tem de ser limpa. Se ela tem essas coisas todas, então tem um padrão que cada página com ele deve seguir.

O texto vem preparado, em formato Word (.doc ou outra extensão) e importamos para o InDesign, arrastando o arquivo ou importando pelo menu.

Importante saber que absolutamente todos os estilos do MS Word (ou similares) são importados juntamente ao texto, se não foi desabilitada esta função.

♥ Diagramação

Esta etapa requer muita paciência e força de vontade.

Começar um livro, fazer um projeto gráfico, é muito fácil. Difícil mesmo é dar continuidade àquele livrinho de 600 páginas ou àquele livro técnico cheio de tabelas e hierarquias de texto.

♥ Cadernos

Terminada a diagramação, precisamos saber quantas páginas o livro terá.

Você já notou que todo livro, desses comuns de livraria, tem o número de páginas múltiplo de oito? Também já reparou nos caderninhos colados uns aos outros no topo da lombada?

Cadernos num livro

canteirodealfaces.com.br

A contagem, na verdade, é simples. Cada caderno pode ter 8, 16 ou 32 páginas. Oito páginas são para meio caderno, 16 para meio caderno ou um inteiro e 32 para caderno inteiro, dependendo da montagem da gráfica.

Se um livro diagramado deu 348 páginas, precisamos esticar até 352.

352 / 16 = 22 ou 352 / 32 = 11

22 ou 11 é o número desses caderninhos que são costurados e colados uns aos outros para depois colar na capa.

Miolo redondo, com todas as informações, fechamos um PDF para enviar à revisão.

♥ Orçamento

Agora que temos todas as informações necessárias, podemos enviar o orçamento para os responsáveis pela impressão. É importante ter tudo nos mínimos detalhes:

  • Dimensões
  • Miolo
    • Papel
    • Número de páginas
    • Cores
  • Capa
    • Papel
    • Cores
    • Orelhas
    • Acabamento
    • Laminação

Para o Sublime, enviei o seguinte orçamento:

  • Dimensões: 15,7 x 23 cm (Que já havíamos decidido antes de fazer a capa)
  • Miolo: Papel Norbrite 66,6g / 304 páginas / 1×1 cor (Que significa uma cor de cada lado do papel)
  • Capa: Papel Cartão 250g / 4×0 cores (Que significa quatro cores de um dos lados do papel) / Orelhas de 8 cm de cada lado / Acabamento: Verniz localizado / Laminação: Fosca

Enviamos o orçamento e esperamos uma resposta do departamento responsável.

Enfim, é isso! No próximo post falarei sobre as revisões que um livro tem para ficar tinindo. Digam aqui o que estão achando da série ou lá na página do Outtamind.

Beijinhos!

Obs.: Estava eu com meus botões, procurando pela internet o que acharam da capa de Sublime e encontrei esse blog… Cliquem aqui e deem uma olhada nos comentários! ♥


Siga nas redes sociais:


Francine C. SilvaFrancine C. Silva

gosta de compartilhar amor, de trazer alegria e de dar abraços, se você precisar de um. É uma publicitária sonhadora, que transformou seu hobbie em profissão e hoje trabalha com o que mais gosta: escrever. Sempre carrega um bloco de notas e uma caneta na bolsa, vive organizando suas estantes de livros, tem um cachorro chamado Chuck Berry e é fã de musicais.



Deixe o seu comentário