Segunda sem carne

30.03.2015

Quando eu tinha 18 anos, no meio de 2010, me deparei com a campanha “Segunda sem carne” em algum blog que estava visitando. Na época, tinha terminado o primeiro semestre da faculdade, tinha arrumado um estágio e estava cheia de tempo para começar novos projetos pessoais. Após ler e conhecer mais sobre, conversei com meus pais, dizendo que, a partir daquela semana, pelo menos de segunda-feira eu não comeria mais nenhum tipo de carne. Consegui levar a campanha por, pelo menos, uns seis meses, até escorregar e nunca mais lembrar disso.

A campanha surgiu para conscientizar as pessoas sobre o impacto que o uso de produtos de origem animal, para alimentação, tem sobre os animais, a sociedade, a saúde humana e o planeta, convidando, assim, a tirar a carne das refeições pelo menos uma vez na semana e descobrir novos sabores.  Ela surgiu em São Paulo em outubro de 2009, numa parceria da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) com a Secretaria do Verde e Meio Ambiente (SVMA) da prefeitura, estendendo-se a várias outras cidades brasileiras. Inclusive, por conta disso, a prefeitura de São Paulo já implementa merendas 100% vegetarias nas escolas e o feedback é totalmente positivo. Existe em 35 países e é apoiada por inúmeros líderes internacionais, como Paul McCartney, ex-Beatle, no Reino Unido.

Divulgação

 

Dia 6 de janeiro de 2014, já com 22 anos, decidi voltar com o projeto. Ano novo, vida nova, certo? No começo não é fácil, principalmente se tem que comer fora todos os dias – parece que todos os restaurantes que você vai, o prato feito com carne é o mais gostoso! –, mas você vai selecionando melhor onde ir, percebe onde tem mais legumes, verduras, ou então cozinha à noite uma berinjela ao forno de dar água na boca!

Em meados de 2014 decidi tentar parar de comer carne aos poucos, por uma leve influência do meu tio e dos meus amigos vegetarianos (dois deles são veganos!) então tirei completamente a carne de origem bovina do meu cardápio. Pelo menos umas duas vezes na semana eu deixava de comer qualquer carne e no resto dela eu comia frango (grelhado, assado, tanto fazia).

Paper toys FOFINHOS

Paper toys FOFINHOS! (Divulgação)

 

Só que, probleminha, comecei a me sentir muito mal na metade do caminho. Eu já tenho o estômago sensível e sempre tive dificuldade para me manter acordada, então fui ao médico. Eis que fui diagnosticada com uma anemia fortíssima. Tudo bem, a médica disse que eu poderia me curar somente mudando a minha alimentação, mas de forma significativa. Tive que voltar a comer carne vermelha, pois o ferro vegetal não seria o suficiente, então desde julho de 2014 não passo uma semana sem comer carne bovina.

Mas voltando à Segunda sem carne, todo mundo deveria tentar. Apesar de ser super normal dar algumas escorregadinhas no meio do caminho… Em 2014 dei duas: meu segundo dia na Argentina (porque no hotel não tinha nada sem carne) e no fim do ano, lá no serviço, quando comprei um Subway italiano.

Meu objetivo, até o final deste ano, é deixar de comer derivados de animais de segunda-feira, porque eu substituo muito fácil a carne por queijos, ovos e afins e minha leve intolerância à lactose não me deixa esquecer.

Para saber mais, acesse o site da campanha: segundasemcarne.com.br


Siga nas redes sociais:


Francine C. SilvaFrancine C. Silva

gosta de compartilhar amor, de trazer alegria e de dar abraços, se você precisar de um. É uma publicitária sonhadora, que transformou seus hobbies em profissões e hoje trabalha com o que mais gosta: escrever e atuar. Sempre carrega um bloco de notas e uma caneta na bolsa, vive organizando suas estantes de livros, tem um cachorro chamado Chuck Berry e é fã de musicais.



Deixe o seu comentário